Loading...

quarta-feira, 23 de janeiro de 2008

se são outros caminhos, eu já não sei,
sinto que as coisas mudam
silenciosamente,
do meu quarto, apenas observo o mundo,
quando participo dele, visto minhas máscaras,
meu sobretudo, que esconde meu escudo,
minhas armas eu uso em defesa e ataque,
quando volto tomo meu banho,
me reconheço, terna, feliz e sóbria.
brinco com meu cachorro,
meus filhos e me acho normal,
e a vida vai se acostumando

9 comentários:

  1. normal e viva... sensacional...

    beijo

    "Oncotô? (Erika)"

    ResponderExcluir
  2. Cláudia,

    O importante é se achar normal, ainda que essa nossa "normalidade" seja vista como loucura por quem nos cerca. E cercar no sentido mais cru: colocar cercas em torno de!

    /// Teu poema ainda dá mais o que pensar, muito mais: o sobretudo - que me protege mas me esconde ao mesmo tempo. Mas tenho o poder de mantê-lo ou retirá-lo, e assim por diante.


    /// Mas também vim para te dizer que gostei do teu comentário ao meu post de hoje. Também faço a ele minhas ressalvas. Eu disse que "quando nos afastamos do caminho da Verdade, perdemos o direito de ter sorte". Claro que me refiro ao "caminho" da Verdade.

    E isso não quer dizer, necessariamente, que meu discurso deva ser construído APENAS de verdades. Muito pelo contrário. anrtes de filósofo sou poeta. E adoro pensar sentindo. Adoro metáforas.


    Para mim, fazer analogias é algo indispensável ao nosso crescimento espiritual e até mesmo intelectual.


    /// Logo, a Verdade nem sempre é precisa, muito menos necessária. Aliás, tem horas em que a Verdade deve ficar longe dos nossos projetos! Em defesa da Vida, é claro.


    /// Abraços, flores, estrelas...

    ResponderExcluir
  3. legal achar outra itapetiningana nos blogs da vida, nem que seja por coincidencia.
    Parabens vc escreve bem

    ResponderExcluir
  4. Se ela está se acostumando parece bom,não é??

    Ou não??

    rsss

    Beijos,Claudia!

    http://www.ramsessecxxi.blogger.com.br/

    ResponderExcluir
  5. somente nus podemos sentir o que somos. vivas À nudez libertária.

    ResponderExcluir
  6. Nas nossas rotinas se escondem felicidades que nem sempre percebemos. Que bom texto! carpe Diem. Aproveite o dia e a vida.

    ResponderExcluir
  7. Acabei de ler no seu perfil que você é ansiosa. É mesmo? Curioso. Pelos seus belos poemas nem parece.
    Carpe Diem.

    ResponderExcluir
  8. Gostei do normal, de se acostumar com o normal...nada mais é que a rotina..as vezes!!
    beijos

    ResponderExcluir
  9. a vida se alimentando...nao?
    mas a fome... ali embaixo... nunca cessa... nao?
    beijo

    ResponderExcluir